quarta-feira, 14 de novembro de 2007

SAUDADE

Quem um dia ou em algum momento da vida não sentiu saudade? Aquele aperto no coração, aquela vontade de chorar, o pensamento longe em momentos ou instantes que fizeram diferença na nossa vida e deixarão apenas:SAUDADE! Muitas pessoas lastimam sentir saudade. Eu não. Sinceramente acho que a gente só sente saudade daquilo que foi bom ou maravilhoso em nossas vidas. Então, acredito que sentir saudade é ter sentimentos bons, é reviver momentos que foram agradáveis. Mesmo que só através da lembrança. Muitas vezes sinto saudade. Saudade da minha adolescência, das vezes que andava de bicicleta na avenida, saudade de brincar com meus irmãos e primas quando éramos crianças. Tenho saudade dos congressos que já participei através da faculdade, das praias, dos lugares que já conheci e gostei, de muitos amigos e amigas que faz tempo que não vejo pessoalmente. Tenho saudade de muitas pessoas especiais que passaram em minha vida e que por estarem longe fisicamente eu não posso ver freqüentemente. Tenho saudade de amigos e parentes que por alguma fatalidade do destino já não estão mais neste mundo. Suspiro. A saudade tem o poder de conseguir fazer com que eu “reviva momentos” através da minha memória. Tem gente que acha isso nostálgico. Discordo. Lembrar de fases e instastes mágicos faz bem. É bom. É lembrar de situações de amizade, situações de amor e companheirismo, descobertas, enfim... Hoje, feriado de 07 de setembro, me dediquei à amizade e a curtir a minha filha. Tinha um sol lindíssimo. Recebemos a visita da dinda da Gi, Daniele. Eu, a Gisella e Daniele brincamos muito, fomos na pracinha, rimos muito, conversamos, enfim. Depois tive a honra de receber outra amiga-Lucila, que está no país fazendo intercambio. Lucila é argentina. A Gisella percebeu que ela falava “diferente”. Ao tomarmos um café a Gi disse para Lucila “Ei, fala direito”. Foi muito engraçado. Eu, Lucila e até a Gisella rimos muito. Como fazer uma criança de três anos entender que Lucila é estrangeira? Foi divertidíssimo. O tempo passará, a Gisella vai crescendo, um dia contarei o fato a ela.Vai novamente ser engraçado esta lembrança. A Lucila está quase voltando para Argentina. Porém estes momentos felizes, estes instantes de alegria ficaram guardados para sempre na nossa memória. Deixarão muita saudade. Ainda bem.

Andressa da Costa Farias
Texto publicado no jornal A RAZÂO, dia 9 e 10 de setembro de 2006.

Nenhum comentário:

O sinônimo da palavra AMOR

Acredito que a palavra “MÃE” deve ser uma das mais ditas em cada língua neste mundo. Não tem como negar que a mãe é a pessoa que possui o no...