sábado, 26 de abril de 2008

O caso Isabella

O país inteiro acompanha através dos meios de comunicação há vários dias o caso da morte da menina Isabella Nardoni. Um chocante, dramático, violento e incompreensível assassinato da garotinha de apenas 05 anos que foi machucada, asfixiada e jogada do 6º andar do apartamento ao chão provavelmente por aqueles que deveriam simplesmente amá-la e protege-la: seu pai e madrasta.
A brutalidade de episódios como estes chocam especialmente por se tratar de uma criança e, sobretudo por que em tais condições é difícil a autodefesa. Crianças são seres em formação. Dão trabalho, fazem barulho, têm muitas dúvidas, mas são acima de tudo pessoinhas que enchem de luz e alegria os ambientes que freqüentam. Manifestam carinho e muito amor se estes sentimentos são recorrentes em suas vidas.
Não têm como não ficar com o coração apertado e dilacerado em um caso tão desumano, tão hostil e tão vil. Sendo mãe e educadora há uma sensação de revolta e impotência muito grande diante da situação extrema de violência em que passou esta menina que acabou por morrer. Nenhuma criança merece tal destino. Todo aquele que maltrata ou faz sofrer uma criança não é digno de ser humano. São monstros.
A morte desta menina representa o triunfo da brutalidade, da desumanidade, da falta de compaixão, da falta de amor, da desestrutura familiar, da injustiça, do estado animalesco e hostil em que se encontra a sociedade e algumas pessoas.
Resta o consolo da fé, da religião, das crenças. Curiosamente por estes dias li um conto em que o autor relatava a morte acidental de uma criança de 03 anos que saltou de uma pedra alta imaginando poder voar. A mãe do menino chorou tanto, tanto, tanto, tanto que acabou adormecendo e assim sonhou que ele brincava com Jesus Cristo menino e sorria muito dizendo para mãe que ele estava melhor ali. Ela acordou mais confortada.
Não quero ser capaz de imaginar a dor da mãe de Isabella ou de todos os pais que perdem um filho (a). Deve ser insuportável. Mas pensar que de alguma forma ela está num lugar melhor que esta sociedade cada vez mais desumana e bruta é algo reconfortante. Falta amor quando a injustiça se manifesta. Espero que não falte justiça.
Andressa

* Texto publicado parcialmente sob o título " A morte de Isabella" no jornal A RAZÃO de SMaria-RS em 26/04/2008.

** Artigo publicado na íntegra no jornal DIÁRIO DE SANTA MARIA, em 01/05/2008.
http://www.clicrbs.com.br/jornais/dsm/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&edition=9779&template=&start=1&section=Opini%E3o&source=a1846905.xml&channel=10&id=&titanterior=&content=&menu=&themeid=&sectionid=&suppid=&fromdate=&todate=&modovisual=

8 comentários:

Marcelo disse...

isso ai andressa!
bjo

letícia disse...

O único consôlo nesse caso é pensar que quem fez uma brutalidade dessas não é mentalmente sadio...e esperar que esse tipo de pessoa não esteja próxima de nós, de nossos amores!
Tbm acho que os culpados já apareceram, mas não sou a favor do espetáculo que a mídia fez em torno de um momento tão trágico, pois existem outras coisas positivas e até mesmo negativas que merecem tão destaque qto esse, eu como futura jornalista creio que tudo em excesso peca. O prédio e a rua do fato viraram estúdio de televisão, a vida tanto de culpados qto de inocentes virou um caos, não é isso que a própria Isabella desejaria...
A duas últimas frases do teu texto, me emocionaram mto, mais uma vez parabéns prima!

Deise disse...

Gostei muito de seu texto, ele nos faz refletir sobre alguns valores que estão faltando em nossa sociedade, um abraço!

Lu disse...

adorei o texto.
bjos
estou com saudades!

aguida disse...

Fico sem palavras sem entender essa brutalidade mas, ao mesmo tempo imagino o que uma pessoa fique animal quando a mentalidade fuja do controle emocional e possa cometer tal crueldade,ato não pensado...Eles devem ficar com os filhos:Digo impossível!???
E pergunto a onde esta o amor?
SER A MÂE Ter que assistir um final tão cruel!Deus que de muita luz.

Patita disse...

oi amiga.
demorei, mas li o seu texto!!!
retratou exatamente a verdade, apesar dos pesares, é... ela está realmente em um lugar bem melhor o nosso. Quem sabe um dia possamos pensar o contrário, mas até lá...
bjos com saudades

Gabriela disse...

Apesar da questionável cobertura midiática frente a esta trajédia; bem definida por um sociólogo como uma verdadeira "novela doentia";o Caso da Menina Isabella só veio confirmar dados já amplamente conhecidos: a maior parte da violência contra a criança ocorre dentro de sua própria casa.

Acredito que neste caso haverá a devida prestação jurisdicional, só é preciso compreender que os trâmites de um processo judicial não respondem ao clamor social por Justiça...Há uma série de ritos a serem cumpridos, sob pena da própria nulidade do processo - a qualquer acusado é garantida a ampla defesa...

Enfim, deixado de lado o papo jurídico, é momento da sociedade refletir e atuar: exercer sua cidadania!!!
Com relação à vilência contra menores, o mínimo que devemos fazer, como cidadão, é DENUNCIAR às autoridades competentes sempre que constatar uma violência contra os pequenos!!!

Parabéns pelo texto Dê!!!

A violência contra a criança é revoltante. O ato mais covarde de um ser humano(humano?)!!!

Um beijão
da leitora que muito te admira,
Gabi.

Lupbeck disse...

Andressa
Esse texto "o caso Isabella" é um grande meio para nós cada vez mais refletirmos sobre qual sociedade temos nas mãos e, assim, pensarmos na melhor forma de transformá-la totalmente.
Parabéns!
Que Deus te abençoe e a todos nós.
Beijão para vocÊ e sua família,
Lucélia.

O sinônimo da palavra AMOR

Acredito que a palavra “MÃE” deve ser uma das mais ditas em cada língua neste mundo. Não tem como negar que a mãe é a pessoa que possui o no...