terça-feira, 25 de novembro de 2014

Para os íntimos

Faz tempo que não escrevo e escrever para mim é algo muito especial. É quando consigo me encontrar comigo mesmo. Ficar quietinha. Fazer a alma se manifestar através das palavras. Mas, atualmente minha alma anda doente. Acredito que os sintomas desta doença sejam estes: o coração dói, a garganta fica embargada, os olhos geralmente úmidos. Toda “doença” tem uma causa. Vou procurar esboçar rapidamente o que considero ser a causa: decepção profunda. Ainda não totalmente curada. A ferida demorou a surgir na alma. Meu desejo era que ela nunca tivesse surgido. Mas, nem sempre os desejos são atendidos. Vamos ao histórico da enfermidade. Depois de um bom tempo sozinha comecei até fazer promessa para encontrar um GRANDE AMOR. Destes de verdade. Inteligente. Bonito. Simpático. Engraçado. E de tanto desejar, sonhar, rezar, enfim. Achei aquele que julguei ser o meu príncipe encantado. Príncipe? Melhor, simplesmente meu amorzinho. Nosso primeiro encontro foi mágico. No início de 2014. Numa noite estrelada de janeiro em Santo Antônio de Lisboa na ilha mágica. Os dias de verão foram passando e momentos maravilhosos fomos experimentando. Barzinhos. Praia. Danças. Pequenas viagens. O encontro e apresentação de ambos para nossas filhas. Ele tinha, assim como eu, uma filha. Tinha a minha idade. Aliás, que orgulho eu sentia dele por ser professor universitário. Revivíamos memórias da infância. Adolescência. Vida adulta. Acadêmica. Muitas vezes ele me cuidou. Fez massagens. Acreditava a cada dia que passava que havia encontrado o homem mais especial do mundo, do universo. Experimentei momentos inesquecíveis ao seu lado. Assistimos abraçados ao por do sol em Belo Horizonte. Conhecemos as cidades históricas de MG. Andamos de avião. Saí do país com esta pessoa que parecia “linda”. Fomos a Montevidéu no Uruguai. Cantamos juntos as canções dos Beatles num show inesquecível de Paul McCartney. Tudo parecia um sonho. Às vezes, me perguntava se merecia tamanha felicidade. Mas, sempre há uma pedra no caminho, uma vírgula, um porém. A ferida começou se abrir. Aquela da alma. Quando eu descobri por ele a primeira traição. Depois de uns seis meses de um namoro que considerava “perfeito”. Doeu. Chorei. Fiquei confusa. Mas, perdoei. A alma aguentou firme. Valorizei a atitude de ele ter contato o fato. Precisava dar uma nova chance. Não para ele. Para nós. Para o amor. Que deve ser maior que tudo. No entanto, outra traição surgiu. Desta vez eu descobri sozinha. E da pior forma. Quando o indaguei. Descobri a mentira. A falsidade. A lealdade que julguei que existia, mas que talvez nunca tivesse existido de fato. A ferida na alma ficou maior. Insuportável. Não consegui perdoar. Fui dura. Escrevi mensagens e disse coisas que talvez me arrependa um dia. Na época que pedia aos céus um amor. Talvez faltou pedir que tivesse caráter. Que fosse puro de coração. Intenso. E principalmente VERDADEIRO. Preferi seguir em frente. Prefiro a minha solidão verdadeira a companhia falsa de alguém. Descobri que a alma já está melhor. A ferida vai se fechando. Aos poucos. E o remédio tem sido os amigos. Aqueles que aparecem quando estamos nas piores horas. Para nos confortar. Para nos alegrar. Para lembrar que o sol brilha lá fora e que precisamos reagir. E assim tenho dado razão ao poeta Mario Quintana que dizia que “a amizade é um AMOR QUE NUNCA MORRE”. Andressa da Costa Farias.

2 comentários:

Susanna Luz disse...

Andressa querida!!!!
Lembro muitas vezes de vc me contando, ainda que na correria do trabalho, sobre esses momentos legais que vcs tiveram no decorrer deste ano. Admiro muito a sua postura madura diante de uma perda, acho que eu nem cogitaria a possibilidade de perdoar...mas quero te dizer que a perda aí não foi sua, foi dessa pessoa que vc achava que merecia a sua confiança! Lembre-se que esse amor não foi eterno, mas a tristeza também não é, vc sabe disso :)
Que isso se transforme apenas em experiência, e que vc consiga deixar a próxima página bem branquinha para escrever uma linda história que virá!!
Um beijo grande!!!

andressacf disse...

Amei teu comentário. Me deixou cheia de fé e esperança.

O sinônimo da palavra AMOR

Acredito que a palavra “MÃE” deve ser uma das mais ditas em cada língua neste mundo. Não tem como negar que a mãe é a pessoa que possui o no...